Será que todo mundo receberá a mesma recompensa no céu ou haverá diferenças?

Todos serão iguais em glória no céu?


Haverá no Céu coisas comuns entre os eleitos: o objetivo: adorar a Deus; o corpo: que será glorioso; o tempo: que será eterno.

No entanto, também haverá distinções entre as almas. Não se sabe ao certo o número ou as peculiaridades dessas distinções, mas sabemos que elas existirão.

Jesus diz que quem recebe um profeta terá a recompensa de profeta e que quem recebe um justo terá a recompensa de um justo (MT 10, 41-42).

Na parábola das libras também diz que o comerciante com dez libras ganhou o domínio de dez cidades e que o comerciante com cinco libras ganhou o domínio de cinco cidades (Lc 19, 12).

Também São Paulo diz que, assim como o brilho de uma estrela difere da outra, assim será na ressurreição dos mortos (1 Cor, 15-41).

O apóstolo também ensina que colheremos na eternidade o que semeamos, e ainda que aquele que semeia com abundância colherá com abundância e o que semeia com moderação colherá com moderação (Gál 6, 7-9; 2 Cor 9-6).

O ato de semear refere-se, como já sabemos, às obras que praticamos. Existem as boas e más obras, e dentre as boas obras existe ainda uma graduação de generosidade.

Portanto, quem age com maior generosidade receberá mais generosamente, quem é mão de vaca na generosidade recebe moderadamente.

Generosidade em quê? No amor. Recebe o quê? O Amor.

A santidade consiste justamente em ser generoso no amor (amor a Deus e às coisas Celeste, e depois aos homem POR amor à Deus, ou seja, o amor aos homens leva o amante e o amado a Deus), essa generosidade dilata o nosso ser e este será repleto de glória e felicidade no Céu.

Todos serão plenos, repletos; no entanto, cada qual conforme as obras que fez, ou seja, cada qual conforme o espaço que abriu para Deus em si mesmo. Quanto maior o espaço, mais repleto de amor estará e, portanto, maior será o grau de glória no Céu.

Isso é um reflexo claro da Ordem Celeste já existente entre os anjos, como nos ensina a Santa Tradição da Igreja, todos são seres inefáveis; no entanto, cada um com uma função e nível de aproximação de Deus distintos. Assim também existem santos chamados “seráficos” (abrasados), como São Francisco e São Vicente Ferrer.

 

(Ana Paula Bastos)

Aleteia

Outras Notícias

A incrível história do padroeiro das grávidas – e uma oração por um parto feliz

São Raimundo Nonato, celebrado em 31 de agosto, é considerado o padroeiro das mulheres grávidas e parturientes, além ...

Médico recusa aborto, salva mãe e bebê de 23 semanas e… é processado

O médico tocoginecologista Leandro Rodríguez Lastra, chefe do setor de Ginecologia do Hospital Pedro Moguillansk...

Ministra corrige Luciano Huck na TV: “Não, não sou carola. Eu sou cristã católica”

Durante o quadro “Quem quer ser um milionário?”, do programa televisivo de Luciano Huck, o apresentador perguntou à p...

Campanha para derrubar o Papa Francisco

Agora minhas dúvidas se dissiparam: há mesmo uma campanha orquestrada para desmoralizar, desestabilizar e, se possíve...

Quando duas almas do purgatório apareceram ao Padre Pio

Padre Pio não perdia oportunidade para interceder em favor das almas do purgatório, seja durante a Missa como em outr...

Depois de 77 anos separadas, mãe reencontra filha concebida em estupro

Minka Disbrow tinha apenas 16 anos quando, em 1928, passou pelo pior momento de sua vida. Ela e uma amiga foram ataca...