Falar sobre a perda de um bebê, seja pública ou privadamente, pode ajudar o casal... e outras pessoas

Por que Beyoncé, Mark Zuckerberg e Nicole Kidman quiseram falar sobre aborto espontâneo

A maioria dos abortos espontâneos ocorre antes da 20ª semana de gestação. É uma perda muito dolorosa para muitas mulheres e casais, e a dor muitas vezes é agravada quando acontece mais de uma vez.

Hoje em dia, não é incomum que muitas celebridades que sofreram abortos espontâneos e até mesmo abortos recorrentes falem publicamente sobre sua perda. Não é fácil para ninguém lidar com isso, já que tem um profundo impacto emocional tanto na mãe quanto no pai.

Beyoncé, Mark Zuckerberg e Nicole Kidman são apenas algumas das estrelas que se abriram sobre o sofrimento em face desta dolorosa realidade. Muitas mães blogueiras que possuem menos seguidores, mas que são populares, também compartilharam suas histórias com seus leitores.


Compartilhar a experiência ajuda na cura


Muitas vezes, o aborto espontâneo é tratado como uma perda silenciosa que as pessoas não querem falar. As pessoas o consideram um assunto tabu por diferentes razões. Mas conversar com um médico e ir a um psicólogo pode ajudar aqueles que sentem que não conseguem lidar com seus sentimentos sozinhos.

Para muitas mulheres, a cura emocional leva mais tempo do que a cura física que se segue a um aborto espontâneo. De acordo com as celebridades, entrar em contato com as pessoas mais próximas e pedir seu conforto e apoio pode fazer uma grande diferença.

“Foi difícil compartilhar, mas depois descobri que muitos dos meus amigos tiveram uma experiência como essa”, revelou a jornalista Lisa Ling em uma entrevista com Larry King. “Há tantas coisas que as mulheres guardam para si. É importante falar sobre essas questões”. Ela recomenda participar de fóruns de discussão, que no caso dela foi libertador.

A blogueira Eva Amurri Martino revelou que ela sofreu um aborto espontâneo com nove semanas, compartilhando isso em seu blog Happily Eva After. Isso a ajudou muito naquele momento: “Estou compartilhando as esperanças de que podemos ser uma luz para as pessoas passando por circunstâncias semelhantes, e para lembrar a mim mesma e aos outros que não há vergonha em expressar nossas mágoas e permitir que outras pessoas nos confortem”.

“Mas o que foi tão chocante para mim é o quão comuns são os abortos espontâneos, contra o quão pouco eu ouço falar disso. Eu não tenho certeza se isso é porque as pessoas têm vergonha de sofrer essa perda, ou se a perda é simplesmente muito dolorosa para compartilhar (eu posso ver como isso pode ser o caso também)”.


Kimberly McCullough também compartilhou palavras de cura em seu blog quando se lembrou de sua empolgação ao saber que estava grávida e sua devastação pela perda do bebê: “Meu coração estava tão cheio e quebrou. Eu perdi meu bebê. Foi triste demais. Mas eu não tenho o controle. Ainda estou processando, ainda estou curando, mas quem já passou por isso sabe que perder um bebê na 22ª semana é trágico. No entanto, algo de que me orgulho é que me permiti ser feliz e saborear o momento presente. Eu sentei com toda essa gentileza e me lembro desses lindos sentimentos e espero que seja assim novamente”.


É possível seguir em frente 


As chances de ter uma gravidez bem-sucedida são boas mesmo depois de passar por mais de um aborto espontâneo. Claro, você precisará de uma avaliação desde o início e cuidados especiais à medida que o bebê cresce. Na verdade, mães que tiveram um aborto espontâneo são aconselhadas a fazer um exame médico completo antes de tentar engravidar novamente. O médico pode ser capaz de encontrar e tratar a causa dos abortos espontâneos.

Se uma mulher acha que está grávida, ela deve consultar seu médico imediatamente. Quanto mais cedo você começar o pré-natal, mais cedo receberá os cuidados que precisar. E será importante que você siga as instruções do médico.

Muitas celebridades encontraram esperança depois de vivenciar essa situação dolorosa, não apenas encontrando cura física, mas também crescendo emocional e espiritualmente.

“Há tantos casais passando por isso e isso foi uma grande parte da minha história”, disse Beyoncé. “Eu não sou a única. No final, eu tenho minha filha. Há esperança e me sinto tão sortuda”.

Nicole Kidman também compartilhou as dificuldades de se tornar mãe com Tom Cruise, depois de perder duas gravidezes e finalmente decidir adotar seus filhos: “A partir do momento em que Tom e eu nos casamos, queríamos ter bebês. Nós perdemos um bebê no começo devido a uma gravidez ectópica e depois outro bebê devido a um aborto espontâneo. Foi incrivelmente traumático para mim, mas isso eventualmente nos levou a tomar a decisão de adotar nossos filhos Isabella e Connor”.

Depois de ter seus gêmeos Monroe e Marroquí, Mariah Carey e seu marido gradualmente viram os aspectos positivos de lidar com o aborto espontâneo de seu primeiro bebê: “A dor nos uniu como um casal em nosso relacionamento. Aprendemos muito como pessoas e nos preparamos para a paternidade”.

Whitney Houston disse em uma entrevista com Barbara Walters que “foi muito doloroso, emocional e fisicamente. Eu estava de volta no set no dia seguinte e aquilo tinha acabado, mas tive Bobbi Kristina um ano depois e sou abençoada”.


Um bom acompanhamento médico é fundamental 


Mesmo dentro da profissão médica, abortos espontâneos são muitas vezes considerados “normais” ou “um desfecho natural”. Ainda assim, esse evento médico não deve ser descuidado. Nenhum aborto espontâneo deve ser considerado absolutamente normal, mesmo que seja algo que acontece com muitas pessoas.


Todos os abortos espontâneos são o resultado de um evento reprodutivo fisiopatológico. Portanto, a abordagem médica deve sempre ser diagnosticar o que está errado, corrigir e depois apoiar qualquer gravidez futura, quando isso acontecer.


Mas determinar a causa específica de qualquer aborto espontâneo é difícil. Fatores genéticos, endocrinológicos, anatômicos, imunológicos e microbiológicos podem contribuir. O aborto espontâneo é frequentemente associado à infertilidade, e tende a aumentar quanto mais velha a mãe é quando concebe.


As mulheres que sofrem abortos espontâneos tornam-se muito conscientes de que seu corpo está falhando. É por isso que os abortos espontâneos repetidos frequentemente exigem exames especiais para tentar encontrar a causa.


Hoje, com os avanços da ciência médica, os processos que levam o corpo da mulher a perder o bebê dentro de seu ventre podem ser tratados de uma forma que respeite sua dignidade, com uma abordagem humana como a oferecida pela NaproTecnology em saúde ginecológica e reprodutiva.


Às vezes, a causa por trás dos abortos espontâneos pode ser tratada. A cirurgia pode ser eficaz para alguns problemas no útero e no colo do útero, o tratamento com antibióticos pode curar infecções, e o tratamento hormonal pode ser muito útil antes de conceber o bebê e durante a gravidez.


Aleteia

Outras Notícias

A incrível história do padroeiro das grávidas – e uma oração por um parto feliz

São Raimundo Nonato, celebrado em 31 de agosto, é considerado o padroeiro das mulheres grávidas e parturientes, além ...

Médico recusa aborto, salva mãe e bebê de 23 semanas e… é processado

O médico tocoginecologista Leandro Rodríguez Lastra, chefe do setor de Ginecologia do Hospital Pedro Moguillansk...

Ministra corrige Luciano Huck na TV: “Não, não sou carola. Eu sou cristã católica”

Durante o quadro “Quem quer ser um milionário?”, do programa televisivo de Luciano Huck, o apresentador perguntou à p...

Campanha para derrubar o Papa Francisco

Agora minhas dúvidas se dissiparam: há mesmo uma campanha orquestrada para desmoralizar, desestabilizar e, se possíve...

Quando duas almas do purgatório apareceram ao Padre Pio

Padre Pio não perdia oportunidade para interceder em favor das almas do purgatório, seja durante a Missa como em outr...

Depois de 77 anos separadas, mãe reencontra filha concebida em estupro

Minka Disbrow tinha apenas 16 anos quando, em 1928, passou pelo pior momento de sua vida. Ela e uma amiga foram ataca...