Ato de Bondade

Certo homem morreu sem sinais de arrependimento pelas maldades cometidas. Por isso, acabou no inferno.

Um dia, porém, seu coração foi tocado pela luz do arrependimento. Ajoelhou-se diante dele um anjo e lhe disse:

— Deus ouviu o seu clamor. Mandou-me para ajudá-lo a sair destes tormentos. Mas primeiro preciso lhe fazer uma pergunta: Você se recorda de algum ato de caridade que tenha realizado em toda a sua vida?

— Ô Deus de misericórdia, tende piedade de mim, pois não me recordo de nenhum ato de caridade que, porventura, tenha feito. Sou pecador e fui cruel para com todos. Misericórdia!

— Deus olhou para a sua miséria. E como ele não pode vir aqui para buscá-lo, você terá que subir por conta. Cairá um fio de aranha e, agarrando-se a ele, poderá subir e sair deste sofrimento.

Depois de dizer isso, o anjo desapareceu e o homem viu baixar um fio de aranha que ele chegou a duvidar que o suportaria. Incrédulo, agarrou o fio e experimentou sua resistência. Verificada sua força, iniciou a escalada. Quando estava a uma boa altura, olhou para baixo e, cheio de raiva, viu que outros homens subiam pelo mesmo fio.

Então, por chutar e a dar pontapés no primeiro que o seguia. Este, por sua vez, resistindo ao ataque, revidava com socos. Possuídos pelo sentimento de egoísmo, que não suporta a liberdade alheia, criaram uma confusão tão grande que o fio se partiu devolvendo todos ao lugar de origem. E ali continuaram padecendo.

Assim, o fio que seria suficiente para levar muitos ao paraíso, rompeu-se com o peso do egoísmo que se aloja no coração do homem.