A Cruz Trocada

Conta uma velha história:

Um belo dia, São Pedro reclamou com o Senhor que a cruz que ele estava carregando era pesada demais. Eram muitas as responsabilidades, as cobranças, as críticas para aguentar. Todos lhe davam conselhos e lhe diziam como agir, mas, no final, não era muito fácil tomar as decisões certas.

Assim São Pedro pediu a Jesus licença para trocar de cruz. –‘Se você quer assim’ – respondeu-lhe Jesus – ‘venha comigo.’

Então o Senhor o levou a um depósito cheio de cruzes de todas as medidas, vários tamanhos e materiais.

São Pedro ficou feliz. Largou a sua cruz num canto, e começou a experimentar outras cruzes.

De imediato viu uma bem pequena, quis colocá-la no ombro, mas nem conseguiu levantá-la.
Começou logo a duvidar do tamanho e do peso daquela cruz. Encontrou uma que parecia bem leve, mas era muito cumprida.

Não conseguia andar; a cruz batia em todo canto e machucava o seu ombro. Continuou experimentando várias cruzes.

Todas tinham algum defeito: uma era pior do que a outra. Por fim, quando achava que tudo aquilo não ia dar em nada, viu uma cruz abandonada num canto.

Coloco-a no ombro e… ‘Nossa!’ exclamou… Era bastante pesada, mas dava para andar, e também cabia bem no seu ombro. Enfim era do tamanho certo, mesmo sendo difícil carregá-la.

Voltou com Jesus e disse: – ‘Mestre, esta é a cruz que escolhi.’

Jesus olhou para a cruz e deu um sorriso. Com o dedo mostrou-lhe o que lá estava esculpido: “Cruz de Pedro, filho de João, o pescador da Galiléia”. Era a cruz dele mesmo, não tinha como trocar.’