Escultura de 3,3 metros e 839 quilos, em mármore branco, feita na Itália, repousa no Lago Michigan a 8 metros de profundidade e a mais de 200 metros d

O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago congela


OCrucifixo de Petoskey é uma escultura de 3,35 metros de comprimento e 839 quilos, em mármore branco, feito na Itália e levado em 1956 para os Estados Unidos, onde hoje repousa no fundo do Lago Michigan, a 8 metros de profundidade e a mais de 200 metros da margem.

Para vê-lo e venerá-lo, é preciso caminhar sobre a superfície congelada do lago, o que nem sempre é possível: nos invernos de 2016 a 2018, por exemplo, a instabilidade do gelo não permitiu que os fiéis chegassem até o local; já em 2019, a onda de frio mais intenso garantiu a consistência necessária para que, em março, os visitantes pudessem ver a escultura, ajudados por iluminação subaquática.

Quem prepara a estrutura quando o tempo permite é um clube local de mergulho, que perfura o gelo para permitir que o crucifixo seja visto a partir da superfície do lago. A única maneira de contemplá-lo, além desta, é mergulhar, o que seria ainda mais complexo para a maioria dos visitantes.

Capture d'écran YouTube
Lago Michigan

A história do Crucifixo

A escultura foi encomendada por uma família rural da localidade de Rapson depois que seu filho Gerald Schipinski morreu aos 15 anos num acidente ocorrido na fazenda. O crucifixo, porém, sofreu muitos danos durante o transporte da Itália até os Estados Unidos, e, quando foi entregue, os pais se recusaram a aceitá-lo e exigiram uma escultura em boas condições, conforme tinham pedido.

O crucifixo danificado ficou durante cerca de um ano na paróquia de São José, em Rapson, e, no ano seguinte, foi adquirido pelo clube de mergulhadores. Eles queriam mergulhar a imagem no Lago Michigan para homenagear um colega, Charles Raymond, que havia morrido afogado. Mais tarde, a homenagem foi estendida a todos os mergulhadores que perderam a vida nas águas do grande lago norte-americano, próximo da fronteira com o Canadá.

Nos anos em que a consistência do gelo permite, os fiéis são convidados, em um sábado de fevereiro ou março, a percorrer a superfície congelada do lago e ter a rara oportunidade de visualizar a escultura submersa. Em 2015, foi registrado um recorde de 2.021 visitantes, que fizeram fila durante duas horas e meia para ver o crucifixo e rezar. A oportunidade seguinte só ocorreu quatro anos depois.


Aleteia

Outras Notícias

Encontro virtual sobre o Pacto Educativo Global terá mensagem do Papa

Da Redação, com Boletim da Santa SéO Vaticano está retomando as iniciativas do Pacto Educativo Global, que dever...

11/09- Dia de Prevenção do Suicídio: abrir o coração a Jesus, pede o Papa

Dia de Prevenção do Suicídio: abrir o coração a Jesus, pO Papa Francisco várias vezes manifestou sua preocupação com ...

10/09- Novena e Festa da Padroeira neste ano serão celebradas de forma virtual

Novena e Festa da Padroeira neste ano serão celebradas de forma virtualDa redação, com Santuário Nacional de Aparecid...

5 conselhos de São Bento para enfrentarmos a pandemia

“Oque vamos lembrar deste tempo?” perguntou o Papa Francisco sobre a pandemia de Covid-19. “As coisas que nos unem.”N...

Comemorações da festa litúrgica de Madre Teresa são canceladas na Índia

Da Redação, com Vatican NewsAs Missionárias da Caridade de Calcutá tiveram que renunciar este ano às celebrações do 1...

Antes de dar à luz, Santa Mônica já tinha consagrado seu filho a Deus

Nunca é cedo demais para que uma mãe comece a preparar seus filhos para receber as muitas graças de Deus. Isso é clar...