A Igreja

Como desenvolver o gosto dos seus filhos pela leitura

A Igreja 17/11/2020/ 12:36:45
Como desenvolver o gosto dos seus filhos pela leitura

Siga estas dicas e seus pequenos terão muito prazer de mergulhar no mundo fantástico da leitura


Se os pequenos gostam de livros, temos uma grande oportunidade quando eles aprendem a ler. De fato, é nessa fase que tudo entra em jogo. Nossos filhos não sabem mais qual livro escolher, pois a leitura infantil se diversificou enormemente nos últimos anos. Assim, cabe a nós, pais e mães, ser os seus guias informados. Ler é muito mais que um hobby, é uma escola de vida incomparável.


Quem lê quando é pequeno, vai ler quando ficar grande

É tão bom lembrar do título de um livro que marcou você quando criança, a alegria de abrir seu livro preferido “na página certa”! Qual adulto não guarda, num canto seguro de sua memória, uma memória emocional relacionada a suas leituras infantis? O livro é muito mais do que um objeto de papel. “É um conjunto de ideias, emoções, sentimentos, algo que mudou a nossa vida e nos ajudou a crescer”, diz Hélène Montardre , pesquisadora especializada em literatura infantil e autora de “O que eles gostam de ler?”. Livros que tiveram muito impacto em nossa juventude são ricos de uma poderosa carga afetiva. O que poderia ser mais natural do que abrir a nossa descendência, quando chegar a hora, a este mundo que tanto nos marcou? O livro é um passaporte extraordinário para uma viagem que todo pai deseja dar ao filho.

Fazer isso não é nada fácil, em um momento em que nossa boa e velha biblioteca é perigosamente perturbada pela televisão, videogames e outros eletrônicos. Na era das telas triunfantes, não é fácil convencer nossas crianças a se sentar com um livro. “Tenho dificuldade em tirar o meu filho das telas”, reclama Isabelle, que admite: “É muito mais tentador apertar um botão do que carregar consigo um romance”. Facilidade sedutora que suaviza a sensação de esforço! No entanto, tenhamos cuidado para não demonizar as novas tecnologias. Elas têm um papel educativo indiscutível e fazem parte do quotidiano dos nossos jovens. Mídia e leitura se complementam, ainda que o livro tenha um valor insubstituível, pois permite a reflexão, desenvolve a criatividade e a iniciativa.


Momentos inesquecíveis

Quem já experimentou as alegrias da leitura desde o berço, terá mais probabilidade de ser apaixonado por livros. “Axelle tem 2 meses e já tem uns álbuns de tecido na cama!”, diz Corinne, mãe de quatro filhos. O livro é uma ótima maneira de despertar as crianças para o novo. “Aconselho os pais a mostrarem livros aos filhos o mais cedo possível, a partir dos 8 ou 9 meses, avisa. É tão importante fazer descobrir o prazer do livro antes de ler! Manipulando o objeto, mexendo nele, apropriando-se dele, a criança experimenta emoções e mergulha em novas sensações. Não esqueçamos que a criança é uma esponja que absorve tudo o que o adulto lhe dá!”, aconselha um gerente de biblioteca de mídia.

O interesse pelo objeto não para por aí. Olhar um álbum é uma oportunidade para as crianças abrirem um parêntese terno e cúmplice com os adultos. “Ver o pequeno empoleirado nos joelhos da mãe para ouvir a história que ela lhe vai contar: nos seus braços tranquilizadores, ele entrará no mistério da leitura”, explica Marie-Brigitte Lemaire, psicopedagoga de quem o método pedagógico “Jean Qui Rit” tem feito maravilhas há anos com leitores aprendizes. Esse ex-professor tem a energia contagiante e o entusiasmo dos entusiastas. Ela insiste: “O papel dos pais é fundamental para despertar a criança para a leitura: ela vai absorver as palavras lidas pela mãe e descobrir o significado da beleza através de seus olhos. As cores da ilustração, a mensagem da história e a forma de a ler abrem para a beleza”.


O despertar dos filhos para a leitura

Cabe a nós, pais, levar a sério o despertar literário de nossos filhos. Cada um com seu método e seu ritmo, o truque é acreditar e dedicar tempo a ele. “Olha a Marlaguette , ela domesticou o lobo e está caminhando com ele na floresta! Seu filho segue a imagem que você mostra a ele com os olhos e ouve você. Sem dúvida: esses misteriosos sinais têm uma ligação direta com as palavras que saem de sua boca. Muito mais: o momento da leitura isola vocês dois em uma deliciosa conexão. “Na memória do seu filho, esses momentos de cumplicidade estarão para sempre associados à ternura”, diz Hélène Montardre.

Permitamos que o momento da história vire um ritual. “As crianças escovam os dentes, oramos em família e depois todos se sentam em volta do livro”, diz Anne, cujo trio feliz tem tempo para se acalmar antes de escurecer. Na casa de Sophie e Xavier, não há como faltar ao ritual: Antoinette tem 3 anos e se emociona com os personagens que encontra todas as noites.

Também não há como mudar uma palavra na história – pois eles já decoraram as partes mais importantes: “Você esqueceu uma palavra, mamãe!” Porque o pequeno ouve e memoriza cada palavra, se apropria dela. O domínio da linguagem escrita o faz vislumbrar a imensidão de possibilidades que ela oferece. “A criança sente instintivamente que esta segunda língua é mais elaborada que a primeira”, explica Hélène Montardre . Seduzido pela magia da história, ele se envolverá no jogo e assimilará a sintaxe mais indigesta de forma mais natural!


Filhos e leitura: sons e imagens encantadoras

Que criança permanece insensível à música das palavras? O que às vezes importa o significado, se o seu filho parece enfeitiçado por essas frases que se ligam como uma melodia: “Era uma vez um rei que reinava sobre um país próspero e verde…” Como rimas e contos orais, o livro contribui para a descoberta fascinante da linguagem. “O rei das borboletas, enquanto faz a barba, corta o queixo!”, Louise articula-se com avidez, visivelmente encantada com estes sons, que repete sem falta desde o início dos seus 2 anos.

Familiarizada com a palavra escrita e embalada por todas as histórias ouvidas, a criança vai crescer, enriquecida com uma herança real. Esses personagens e essas paisagens, ele os conhece de cor, são seus, e é um pouco ele mesmo quem vive as aventuras de seus heróis. O jovem herói recupera seu entusiasmo pela vida no final da história e tudo volta ao normal. “Muitas vezes tenho um livro à mão quando sinto meu gatinho esquentando!” diz Sophie com um sorriso.

Ogros aterrorizantes ou princesas sedutoras, boas ou más, madrastas ou fadas, os personagens encontrados permitem à criança se identificar, resolver seus conflitos e destruir seus medos: o livro tem um valor psicológico inegável. Que deliciosa ansiedade é seguir Chapeuzinho Vermelho no bosque, à mercê do lobo! O conto é um daqueles contos que te fazem crescer: essas multidões de personagens e bichos falam com a criança sobre ela mesma, seus sentimentos e emoções, mas também sobre os grandes acontecimentos da vida. Eles o ajudarão a dominar a realidade e a imaginar o futuro… Resumindo, a crescer!


Ele está aprendendo a ler?

“Os contos começam onde a criança está na realidade, em seu ser psicológico e emocional”, desenvolve Bruno Bettelheim em sua obra Psicanálise dos contos de fadas. Quer sinta o Patinho Feio caminhando confiante ou vulnerável como o Polegarzinho, a criança aprenderá que nada é inevitável e que tudo pode evoluir enquanto a pessoa se der ao trabalho. Os personagens encontrados ao longo dos contos também simbolizam sentimentos ou situações que ele conhece: medo, morte, coragem ou abandono, as formidáveis ​​aventuras de seus heróis lhe ensinam muito sobre si mesmo! Não esqueçamos que um conto sempre termina bem, portanto é uma bela escola de autoconfiança!

Finalmente chega a alfabetização, e é hora de decodificar as letras que se tornaram familiares com as leituras. Professora do jardim de infância, Marguerite inicia as crianças ao longo do ano no processo de decifrar letras. E a turminha entra com alegria no jogo: “Estamos aprendendo a reconhecer as palavras do cotidiano: cartazes, embalagens de cereais ou cardápios de cantinas, e as crianças pedem mais!”. “Cabe aos pais substituir o professor em casa: ler deve ser uma alegria e um prazer para a criança!” sublinha, apaixonadamente, Marie-Brigitte Lemaire. Vamos oferecer-lhe livros atraentes para que a leitura não seja uma tarefa pesada.


Continue lendo histórias para ele

Como fazer ? “Acima de tudo, continue lendo histórias para seus filhos, mesmo que eles saibam ler”, insiste Hélène Montardre . Que tentação, porém, deixar nosso “grande” aluno do ensino fundamental com este bom pretexto: “Você não é mais um bebê, agora leia sozinho!”. Quantas crianças colherão então, descobrindo, nesta fase delicada, que o livro não é aquele puro prazer compartilhado com os adultos, mas um objeto de aprendizagem?

“Minha filha costumava me pedir histórias à noite. No começo, essa exigência me incomodou, achei que fosse um capricho, diz Marie. Mas entendi que Alice tinha medo de se lançar sozinha e que precisava de mim. Hoje ela está com 12 anos e ainda leio um romance com ela, dessa vez para me divertir! “A transição demorará alguns meses para o nosso leitor aprendiz: saibamos acompanhá-lo para evitar o desânimo. Anne encontrou a solução com a filha na primeira série: “Virou um jogo entre nós: Alix lê uma página e eu a seguinte”.

Escolher um livro em família e lê-lo para todos é outra forma eficaz de estimular um pequeno e tímido leitor. O livro torna-se assim um pretexto para momentos de cumplicidade e risos alegres. Vamos entender, todos os meios são bons, desde que a criança sinta que nós estamos ali e que não salta no vazio!


Vasculhando as prateleiras juntos

Aventura ou histórias de detetive, histórias de animal ou contos tradicionais… O leitor aprendiz precisa de adultos para entrar na selva. Devemos entender como orientar suas escolhas e despertar seu senso crítico. Cuidado, por exemplo, com coleções policiais mórbidas, livros de estilo duvidoso, ou com gráficos agressivos: eles fazem mais mal do que bem. Beatrice sempre está de olho nas escolhas da filha: “Querendo entender o fenômeno Harry Potter, pedi a Agathe que me emprestasse o primeiro volume, que ela havia acabado de terminar… Rapidamente fiquei tão viciada quanto ela, confidencia, rindo.

Discutir sobre uma leitura em comum é um momento forte de diálogo e cumplicidade; visitar as prateleiras de uma livraria juntos pode ser um momento de comemoração. Corinne leva Blanche regularmente para escolher um romance: “Aos 9 anos, ela tem dificuldade em mudar para os livros da sua idade”, ri a jovem, que observa: “Então este presentinho a estimula, que prazer abrir um livro novo!”

Mais barata e igualmente educativa, a biblioteca é um lugar de memória incomparável: “Nossos maiores leitores são os pequenos!”, observa Jacqueline Goachet-Marc com humor, responsável por iniciativas para atrair esse público jovem. A área juvenil é um grande sucesso: “Os pais buscam livros para os filhos, observam, comparam e escolhem juntos. Ler é um assunto de família”. Após esta expedição guiada aos livros, esperamos que os nossos aprendizes se tornem rapidamente os novos leitores assíduos, sabendo que ler nos torna livres!


Créditos: Aleteia

Outras Notícias