Ela destinou a criança para adoção, manteve tudo em segredo durante quase 80 anos, mas não perdeu as esperanças de reencontrar a filha.

Depois de 77 anos separadas, mãe reencontra filha concebida em estupro


Minka Disbrow tinha apenas 16 anos quando, em 1928, passou pelo pior momento de sua vida. Ela e uma amiga foram atacadas por três homens e estupradas. Grávida, Minka venceu as dificuldades, destinou a criança para adoção, casou-se e teve outros filhos – e guardou o segredo por 77 anos. Foi só aos 94 anos que ela contou a história aos filhos e netos e pôde reencontrar e abraçar a sua primeira filha.

Minka vivia em uma fazenda no estado de Dakota do Sul, nos Estados Unidos. Ela escondeu de sua mãe o que havia acontecido, até que percebeu algumas mudanças no seu corpo. Foi então que a mãe teve que lhe explicar como os bebês nasciam, o que a moça ainda não sabia. Além disso, Minka foi enviada para uma residência luterana para adolescentes grávidas até dar à luz, a fim de esconder a gravidez de sua irmã. Ela teve uma menina, chamou-a de Betty Jane e destinou-a à adoção.

A vida continuou. Minka casou-se, teve dois filhos e manter o segredo sobre o estupro e a filha se tornou um hábito. Ela teve diversos empregos e viveu em várias cidades até se estabelecer em San Clemente, na Califórnia.

No decorrer dos anos, Minka escreveu secretamente dezenas de cartas à agência de adoção da Casa de Misericórdia à qual ela tinha entregue Betty. Ela chegou a ter algumas informações sobre a filha até que a direção da agência mudou e elas perderam qualquer forma de contato.

Foi só em 2006, quase oitenta anos depois do ocorrido, que ela contou aos seus filhos e netos o que havia acontecido. Ela mostrou aos parentes uma fotografia em preto-e-branco da criança, que ela manteve escondida durante todos esses anos. “Ficamos completamente chocados”, disse Cathy LaGrow, neta de Minka, ao site TheBlaze. “Nunca imaginaríamos que algo assim teria acontecido com a nossa avó”.

“Uma cascata de amor”

“Foi a sua fé que lhe permitiu manter a esperança por todos esses anos de que Betty Jane estava tendo uma vida feliz e tinha uma família unida”, disse Cathy. De fato, Betty – que agora se chama Ruth Lee – havia se casado e tido filhos, sem nunca ter conhecimento sobre a situação na qual foi concebida. Minka, porém, não sabia de nada disso.

Mas Ruth, que mora em Wisconsin, também estava atrás de informações sobre o seu passado. Diagnosticada com problemas no coração e na vesícula biliar em 2006, ela tinha poucas informações a dar aos médicos sobre os seus antecedentes médicos familiares. Ela então foi atrás de informações e encontrou os arquivos de sua adoção – recheados de cartas de Minka, que passou décadas perguntando sobre sua filha, sem obter resposta.

“O amor que jorrou dessas cartas foi como uma cascata de amor”, disse Ruth sobre o momento em que descobriu o arquivo. Foi só nesse momento que ela soube que tinha sido concebida em um estupro – Ruth pensava que seus pais tinham sido simplesmente um casal jovem, sem recursos para criar a filha.

“Eu pensei: ‘Meu Deus do céu, naquele tempo já havia estupros?’ Eu mal podia acreditar. Sentia muita raiva pelo que foi feito com ela”, contou Ruth. “Com tudo que lhe aconteceu, você percebe que ela poderia ter se tornado muito amarga. Mas isso só a fez mais forte e com mais fé – e isso é maravilhoso”.

O reencontro

Com a ajuda do filho, Ruth descobriu o telefone e o paradeiro de Minka – e se surpreendeu ao saber que a mãe ainda estava viva. Ela tomou coragem e telefonou para a sua mãe. “Foi muito emocionante. Ela queria saber se eu tinha tido filhos, e respondi: ‘Sim, tenho seis’. Ela queria saber tudo sobre eles”.

Minka Disbrow, Ruth Lee e Cathy LaGrow (foto: divulgação).

Minka ficou maravilhada ao saber que um dos seus netos era astronauta e tinha estado quatro vezes no espaço. As duas então marcaram de se encontrar. “Choramos muito”, contou Ruth. “Ela me deu o dom da vida e o dom da adoção”. As duas mantiveram-se em contato até a morte de Minka, em 2014, aos 102 anos de idade.

“Foi uma experiência tão incrível e surreal que eu ainda penso às vezes que vou acordar e tudo não terá passado de um lindo sonho”, disse Ruth. “Nunca vi minha mãe tão feliz”, afirmou Dianna Huhn, filha de Minka.

A neta, Cathy, escreveu um livro contando a história da família. “The Waiting: The True Story of a Lost Child, a Lifetime of Longing, and a Miracle for a Mother Who Never Gave Up” (“A espera: a história real de uma criança perdida, uma vida inteira de espera e um milagre para uma mãe que nunca desistiu”, em tradução livre) foi publicado apenas um mês antes da morte de Minka.

Veja ao trailer do livro com imagens do reencontro:

Via Catholicus

Outras Notícias

Imagem impactante agita redes sociais: “Espírito Santo” visto no céu?

Foi postada no Facebook em 17 de janeiro de 2019, pela usuária Elisha Oluhambo, a imagem de um conjunto de nuvens que...

Mãe internada na UTI tem reencontro emocionante com o filho

Imagine a situação: você tem um filho de sete meses e, de repente, é obrigada ficar longe dele por mais de 10 dias de...

Sabe em que momento o diabo ataca?

Eu cresci ouvindo que os três grandes inimigos da alma eram: o mundo, o demônio e a carne. Por muito tempo, falavam-s...

São Pedro investiga por onde almas entram no Céu sem sua permissão

As redes sociais estão compartilhando o relato que reproduzimos abaixo. Certamente não é nenhum tratado de teologia, ...

Menino com paralisia cerebral caminha pela primeira vez para receber a Eucaristia

Era 16 de dezembro de 2018: o terceiro domingo do Advento, também chamado de Domingo da Alegria (ou Domingo...

URGENTE: orações por menino de 2 anos que caiu em poço de 110m no domingo

Adiocese de Málaga, no sul da Espanha, reforçou o pedido de orações pelo pequeno Julen Roselló, um menino de 2 anos e...