Como elas enfrentam a realidade da dor e do sofrimento?

O que as crianças com doenças terminais pensam sobre a morte?


Quando uma criança tem uma grave doença, é comum que ela atravesse diferentes etapas até se tornar consciente de sua realidade. A percepção da morte também varia segundo a etapa evolutiva a criança, as circunstâncias que a rodeiam e seus estados físico, cognitivo, verbal, emocional e social.Durante a primeira infância 

Na primeira infância, as crianças não conseguem compreender o que é a doença e respondem fundamentalmente à dor e ao mal-estar físico da enfermidade e do tratamento.

A criança também responde à separação forçada da mãe durante os períodos de hospitalização, bem como à presença de estranhos. Do nascimento aos 18 meses, o conceito de morte para a criança é a própria separação.Dos 18 meses aos cinco anos 

A partir dos 18 meses e até os cinco anos, a criança associa a morte ao sonho, à imobilidade e à ausência. Vida e morte são indissociáveis à presença e ausência. A morte, como ausência, está ligada à possibilidade de retorno.Dos cinco aos 10 anos 

Na idade escolar, a maioria das crianças começa a demonstrar curiosidade sobre a morte, a religião, as relações sociais e a arte, entre outras coisas.Na pré-adolescência e na adolescência

 Nesta etapa, o funcionamento cognitivo começa a ser formal e lógico. A enfermidade é vivida com amargura e ira devido ao isolamento e as limitações que ela impõe sobre o desenvolvimento da identidade do adolescente. O temor de perder o controle sobre as funções do corpo se acentua, assim como a vergonha por não ser igual aos colegas da mesma idade. 

Nesta idade, a morte é encarada como o fim de toda a vida. Este caráter da universalidade da morte, que não perdoa ninguém, nem mesmo as crianças, é a noção mais difícil de integrar no universo conceitual da criança. Até então, a morte estava ligada à velhice e à violência. 

Entretanto, os adolescentes agem como se fossem imortais e como se fosse pouco provável a morte atingi-los. Geralmente, manifestam fantasias de onipotência e se defendem da ameaça de morte. Como consequência, a negação é comum entre os adolescentes doentes. 


Aleteia 

Outras Notícias

Pronto para vir ao Brasil, o maior sino do mundo, será instalado no novo Santuário do Divino Pai Eterno

Batizado de “Vox Patris”, o sino será instalado no novo Santuário do Divino Pai Eterno, que está em construção em Goi...

Pe. Reginaldo Manzotti: como ter sucesso em sua vida espiritual

Se quisermos ser bem-sucedidos em nossos objetivos precisamos de disciplina. É necessário organizar nossa vida, ...

A basílica que tem o maior número de relíquias (depois do Vaticano)

As origens da Basílica de São Saturnino (ou São Sernin) remontam ao século III, época do martírio de São Saturnino, o...

“Senhor carteiro, pode levar esta carta para o meu papai no céu?”

O Royal Mail, serviço de correios do Reino Unido, recebeu de um menino da Escócia o seguinte pedido:“Sr. Ca...

Papa Francisco: o importante do Advento é encontrar Jesus, guiados por Maria

No bom propósito de aprofundar ao máximo na vida espiritual ao longo deste Advento, retomamos alguns pensamentos...

O garotinho mudo que roubou a cena na Audiência Geral do Papa

“Desejemos um coração novo”. Foi o convite do Papa Francisco para que vivamos como crianças “livres” diante do Pai. M...