Como elas enfrentam a realidade da dor e do sofrimento?

O que as crianças com doenças terminais pensam sobre a morte?


Quando uma criança tem uma grave doença, é comum que ela atravesse diferentes etapas até se tornar consciente de sua realidade. A percepção da morte também varia segundo a etapa evolutiva a criança, as circunstâncias que a rodeiam e seus estados físico, cognitivo, verbal, emocional e social.Durante a primeira infância 

Na primeira infância, as crianças não conseguem compreender o que é a doença e respondem fundamentalmente à dor e ao mal-estar físico da enfermidade e do tratamento.

A criança também responde à separação forçada da mãe durante os períodos de hospitalização, bem como à presença de estranhos. Do nascimento aos 18 meses, o conceito de morte para a criança é a própria separação.Dos 18 meses aos cinco anos 

A partir dos 18 meses e até os cinco anos, a criança associa a morte ao sonho, à imobilidade e à ausência. Vida e morte são indissociáveis à presença e ausência. A morte, como ausência, está ligada à possibilidade de retorno.Dos cinco aos 10 anos 

Na idade escolar, a maioria das crianças começa a demonstrar curiosidade sobre a morte, a religião, as relações sociais e a arte, entre outras coisas.Na pré-adolescência e na adolescência

 Nesta etapa, o funcionamento cognitivo começa a ser formal e lógico. A enfermidade é vivida com amargura e ira devido ao isolamento e as limitações que ela impõe sobre o desenvolvimento da identidade do adolescente. O temor de perder o controle sobre as funções do corpo se acentua, assim como a vergonha por não ser igual aos colegas da mesma idade. 

Nesta idade, a morte é encarada como o fim de toda a vida. Este caráter da universalidade da morte, que não perdoa ninguém, nem mesmo as crianças, é a noção mais difícil de integrar no universo conceitual da criança. Até então, a morte estava ligada à velhice e à violência. 

Entretanto, os adolescentes agem como se fossem imortais e como se fosse pouco provável a morte atingi-los. Geralmente, manifestam fantasias de onipotência e se defendem da ameaça de morte. Como consequência, a negação é comum entre os adolescentes doentes. 


Aleteia 

Outras Notícias

Pela 2ª vez na história: hoje é dia dos Santos Pastorinhos de Fátima!

Os pastorinhos Francisco e Jacinta eram os dois mais novos dos sete filhos de Manuel Pedro Marto e Olímpia ...

Exorcista alerta sobre os perigos de “falar” com os mortos

O Padre Pedro Paulo Alexandre é um dos exorcistas mais conhecidos do Brasil. Ele pertence à Diocese de Florianópolis ...

Para pedir a graça da cura do câncer: oração ao santo que carregou essa mesma cruz

Ocâncer é uma das cruzes mais pesadas que se conhecem e um dos maiores mistérios que Deus permite em n...

“Vovó Peregrina” de 95 anos chega à Basílica de Nazaré após 30 dias de caminhada

A ACI Digital publicou na última sexta-feira, 15 de fevereiro, uma detalhada matéria sobre a “Vovó Peregrin...

“A Paixão de Cristo”: segunda parte, “A Ressurreição”, pode estrear ainda em 2019

O astro Jim Caviezel, intérprete de Jesus Cristo no aclamado filme “A Paixão de Cristo”, de 2004, info...

São Valentim: por que o dia dos namorados na maioria dos países é 14/02?

A festa de São Valentim, celebrada em 14 de fevereiro, equivalente ao Dia dos Namorados na maioria dos países. O Bras...