Como elas enfrentam a realidade da dor e do sofrimento?

O que as crianças com doenças terminais pensam sobre a morte?


Quando uma criança tem uma grave doença, é comum que ela atravesse diferentes etapas até se tornar consciente de sua realidade. A percepção da morte também varia segundo a etapa evolutiva a criança, as circunstâncias que a rodeiam e seus estados físico, cognitivo, verbal, emocional e social.Durante a primeira infância 

Na primeira infância, as crianças não conseguem compreender o que é a doença e respondem fundamentalmente à dor e ao mal-estar físico da enfermidade e do tratamento.

A criança também responde à separação forçada da mãe durante os períodos de hospitalização, bem como à presença de estranhos. Do nascimento aos 18 meses, o conceito de morte para a criança é a própria separação.Dos 18 meses aos cinco anos 

A partir dos 18 meses e até os cinco anos, a criança associa a morte ao sonho, à imobilidade e à ausência. Vida e morte são indissociáveis à presença e ausência. A morte, como ausência, está ligada à possibilidade de retorno.Dos cinco aos 10 anos 

Na idade escolar, a maioria das crianças começa a demonstrar curiosidade sobre a morte, a religião, as relações sociais e a arte, entre outras coisas.Na pré-adolescência e na adolescência

 Nesta etapa, o funcionamento cognitivo começa a ser formal e lógico. A enfermidade é vivida com amargura e ira devido ao isolamento e as limitações que ela impõe sobre o desenvolvimento da identidade do adolescente. O temor de perder o controle sobre as funções do corpo se acentua, assim como a vergonha por não ser igual aos colegas da mesma idade. 

Nesta idade, a morte é encarada como o fim de toda a vida. Este caráter da universalidade da morte, que não perdoa ninguém, nem mesmo as crianças, é a noção mais difícil de integrar no universo conceitual da criança. Até então, a morte estava ligada à velhice e à violência. 

Entretanto, os adolescentes agem como se fossem imortais e como se fosse pouco provável a morte atingi-los. Geralmente, manifestam fantasias de onipotência e se defendem da ameaça de morte. Como consequência, a negação é comum entre os adolescentes doentes. 


Aleteia 

Outras Notícias

Papa Francisco joga um videogame pela primeira vez

O Papa Francisco foi o primeiro jogador do aplicativo “Follow JC Go!”, uma iniciativa em preparação à Jornada Mundial...

Por que os franciscanos vestem marrom?

Como pede o Direito Canônico, é recomendado que todas as numerosas ordens religiosas que existem dentro da Igreja Cat...

As crianças se lembram de algo do tempo que passaram no ventre materno?

Mãe, alguma vez você já se perguntou se seus filhos se lembram de alguma coisa do tempo que passaram em seu ventre? U...

Diocese informa: padre de missa com Haddad agiu “à revelia do Sr. Bispo”

Diocese de Campo Limpo sobre evento partidário na paróquia Santos Mártires: padre recebeu advertência segundo normas ...

Inaugurado mais um local de oração em Aparecida

O Santuário Nacional inaugurou um espaço de lazer e oração na cidade de Aparecida, o Caminho do Rosário.Trata-se de u...

Tetraplégico consegue milagres e dirige do Rio de Janeiro até Aparecida para pagar promessa

"Se a gente não tiver fé, a gente fica deprimido, fica doente, não consegue e as coisas começam a dar tudo errado", d...