Como elas enfrentam a realidade da dor e do sofrimento?

O que as crianças com doenças terminais pensam sobre a morte?


Quando uma criança tem uma grave doença, é comum que ela atravesse diferentes etapas até se tornar consciente de sua realidade. A percepção da morte também varia segundo a etapa evolutiva a criança, as circunstâncias que a rodeiam e seus estados físico, cognitivo, verbal, emocional e social.Durante a primeira infância 

Na primeira infância, as crianças não conseguem compreender o que é a doença e respondem fundamentalmente à dor e ao mal-estar físico da enfermidade e do tratamento.

A criança também responde à separação forçada da mãe durante os períodos de hospitalização, bem como à presença de estranhos. Do nascimento aos 18 meses, o conceito de morte para a criança é a própria separação.Dos 18 meses aos cinco anos 

A partir dos 18 meses e até os cinco anos, a criança associa a morte ao sonho, à imobilidade e à ausência. Vida e morte são indissociáveis à presença e ausência. A morte, como ausência, está ligada à possibilidade de retorno.Dos cinco aos 10 anos 

Na idade escolar, a maioria das crianças começa a demonstrar curiosidade sobre a morte, a religião, as relações sociais e a arte, entre outras coisas.Na pré-adolescência e na adolescência

 Nesta etapa, o funcionamento cognitivo começa a ser formal e lógico. A enfermidade é vivida com amargura e ira devido ao isolamento e as limitações que ela impõe sobre o desenvolvimento da identidade do adolescente. O temor de perder o controle sobre as funções do corpo se acentua, assim como a vergonha por não ser igual aos colegas da mesma idade. 

Nesta idade, a morte é encarada como o fim de toda a vida. Este caráter da universalidade da morte, que não perdoa ninguém, nem mesmo as crianças, é a noção mais difícil de integrar no universo conceitual da criança. Até então, a morte estava ligada à velhice e à violência. 

Entretanto, os adolescentes agem como se fossem imortais e como se fosse pouco provável a morte atingi-los. Geralmente, manifestam fantasias de onipotência e se defendem da ameaça de morte. Como consequência, a negação é comum entre os adolescentes doentes. 


Aleteia 

Outras Notícias

A beata brasileira Nhá Chica e sua singela explicação: “É porque eu rezo com fé”

A Igreja celebra no dia 14 de junho a beata Francisca de Paula de Jesus, conhecida como Nhá Chica.Filha de escravos, ...

Sabia que Santo Antônio também é invocado por quem quer encontrar objetos perdidos?

Muitos católicos costumam pedir a intercessão de Santo Antônio de Pádua para encontrar um objeto perdido. O motivo de...

Acha difícil levar os filhos arteiros à Missa? Veja o conselho de uma mãe

Quem tem filhos pequenos e arteiros (graças a Deus!) sabe: ir à Missa com eles é um grande desafio. A maratona c...

Novena milagrosa de Santa Rita de Cássia, advogada das causas impossíveis

Amém.       Rezar o tema de cada diaRezar 1 Pai-Nosso; 10 Ave-Marias e 1 Glória ao PaiOração fina...

O significado da imagem da pomba na Bíblia

De todos os antigos símbolos mediterrânicos adotados pela igreja cristã, a pomba foi provavelmente a mais repetida na...

Oração para pedir os dons do Espírito Santo

Espírito Santo, concedei-me o dom da sabedoria, a fim de que cada vez mais aprecie as coisas divinas e, abrasado...