STF nega habeas corpus e mantém prisão do ex-ministro Antonio Palocci

Petista está preso desde setembro de 2016 na Polícia Federalem Curitiba e foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem dedinheiro

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal decidiumanter nesta quinta (12) a prisão de Antonio Palocci, negando o pedido deliberdade feito pela defesa do ex-ministro dos governos Lula e Dilma. Por setevotos a quatro, os magistrados não concederam o chamado habeas corpus 'deofício'.

Palocci está preso desde setembro de 2016 naSuperintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Em junho do ano passado, oex-ministro foi condenado pelo juiz Sergio Moro a 12 anos de prisão porcorrupção e lavagem de dinheiro, em um dos processos a que responde na operaçãoLava Jato.

Votaram contra o habeas corpus os ministros Edson Fachin,relator do caso no STF, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux,Rosa Weber, Celso de Mello e a presidente da Corte, Cármen Lúcia. Já osministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Marco AurélioMello votaram pela liberdade de Palocci.

A maioria de votos foi formada com base no voto do relator,proferido na sessão desta quarta (11). Fachin entendeu que há risco para aordem pública, caso o ex-ministro seja libertado. Para o ministro, Palocciainda tem influência e parte dos recursos que foram desviados ainda não foirecuperado.

Para Gilmar Mendes, o prazo indefinido das prisõespreventivas é uma forma de tortura para viabilizar acordos de delação premiada.“Vertentes que pretendem restringir o habeas corpus, limitar o habeas corpusestão, obviamente, fazendo rima com o AI-5”, disse, em mais uma frase polêmica.

Última a votar, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia,disse ter identificado elementos suficientes para manter a prisão, com base nadecisão de Moro. A ministra disse ainda considerar que não houve o excesso deprazo, considerada a "complexidade e necessidade enorme de apreciação dedocumentos".

De acordo com as investigações, a empreiteira Odebrechttinha uma espécie de "conta-corrente de propina” com o PT, antigo partidodo ex-ministro. De acordo com os investigadores, a conta era gerida porPalocci, e os pagamentos a ele eram feitos por meio do Setor de OperaçõesEstruturadas da Odebrecht em troca de benefícios indevidos na Petrobras.

No STF, a defesa de Palocci alegou que o caso deveria serjulgado pela Segunda Turma da Corte, e não pelo plenário. Além disso, osadvogados criticaram o “uso da prisão preventiva como forma ilegal deantecipação de pena".

 

Agência do Rádio - Reportagem, Tácido Rodrigues

Outras Notícias

Motoristas podem ter desconto de até 30% no valor do IPVA

O pagamento em cota única e antecipado do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), além da ausênci...

Inep divulga resultado do Enem

As notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) estão disponíveis na internet, na Página do Participante ...

A cada 8 minutos, uma criança é medicada de forma incorreta

Chamou a atenção das redes sociais a notícia de que um bebê de 4 meses passou mal depois de receber loção contra piol...

Benefícios do INSS acima do salário mínimo terão reajuste de 3,43%

Os segurados da Previdência que recebem acima do salário mínimo terão seus benefícios reajustados em 3,43%, conforme ...

Comércio varejista cresce 2,9% de outubro para novembro, diz IBGE

O volume de vendas do comércio varejista cresceu 2,9% na passagem de outubro para novembro de 2018. O dado é da Pesqu...

Inscritos no Mais Médicos devem se apresentar até hoje aos municípios

Profissionais com registro no Brasil inscritos na segunda chamada do programa Mais Médicos têm até hoje (10) para se ...