STF nega habeas corpus e mantém prisão do ex-ministro Antonio Palocci

Petista está preso desde setembro de 2016 na Polícia Federalem Curitiba e foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem dedinheiro

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal decidiumanter nesta quinta (12) a prisão de Antonio Palocci, negando o pedido deliberdade feito pela defesa do ex-ministro dos governos Lula e Dilma. Por setevotos a quatro, os magistrados não concederam o chamado habeas corpus 'deofício'.

Palocci está preso desde setembro de 2016 naSuperintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Em junho do ano passado, oex-ministro foi condenado pelo juiz Sergio Moro a 12 anos de prisão porcorrupção e lavagem de dinheiro, em um dos processos a que responde na operaçãoLava Jato.

Votaram contra o habeas corpus os ministros Edson Fachin,relator do caso no STF, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux,Rosa Weber, Celso de Mello e a presidente da Corte, Cármen Lúcia. Já osministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Marco AurélioMello votaram pela liberdade de Palocci.

A maioria de votos foi formada com base no voto do relator,proferido na sessão desta quarta (11). Fachin entendeu que há risco para aordem pública, caso o ex-ministro seja libertado. Para o ministro, Palocciainda tem influência e parte dos recursos que foram desviados ainda não foirecuperado.

Para Gilmar Mendes, o prazo indefinido das prisõespreventivas é uma forma de tortura para viabilizar acordos de delação premiada.“Vertentes que pretendem restringir o habeas corpus, limitar o habeas corpusestão, obviamente, fazendo rima com o AI-5”, disse, em mais uma frase polêmica.

Última a votar, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia,disse ter identificado elementos suficientes para manter a prisão, com base nadecisão de Moro. A ministra disse ainda considerar que não houve o excesso deprazo, considerada a "complexidade e necessidade enorme de apreciação dedocumentos".

De acordo com as investigações, a empreiteira Odebrechttinha uma espécie de "conta-corrente de propina” com o PT, antigo partidodo ex-ministro. De acordo com os investigadores, a conta era gerida porPalocci, e os pagamentos a ele eram feitos por meio do Setor de OperaçõesEstruturadas da Odebrecht em troca de benefícios indevidos na Petrobras.

No STF, a defesa de Palocci alegou que o caso deveria serjulgado pela Segunda Turma da Corte, e não pelo plenário. Além disso, osadvogados criticaram o “uso da prisão preventiva como forma ilegal deantecipação de pena".

 

Agência do Rádio - Reportagem, Tácido Rodrigues

Outras Notícias

TSE reúne equipes de Bolsonaro e Haddad para discutir fake news

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, remarcou para hoje (17) reunião com os coorde...

Governo decide manter começo do horário de verão em 4 de novembro

O Palácio do Planalto informou nesta terça-feira (15) que o início do horário de verão será mantido no dia&...

Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores

“Meu sonho mesmo é dar aula para o ensino médio, pode ser em escola estadual,  municipal ou particular”, diz Luc...

Novo e PP descartam apoio a candidatos ao segundo turno

Por meio de sua conta no Twitter o Partido Novo, que teve João Amoêdo como candidato à Presidência da República, comu...

Minas Gerais terá segundo turno entre Zema e Anastasia

Minas Gerais terá segundo turno para governador entre os candidatos Romeu Zema (Novo) e o senador Antonio Anastasia (...

Acaba o prazo para divulgação de propaganda eleitoral paga na imprensa

Pelo calendário eleitoral, hoje (5), dois dias antes da eleição, é o último dia para a divulgação de propaganda eleit...