O Sentido da Vida

Certo dia, o fósforo
disse para a vela:
– Hoje te acenderei!
– Ah não - disse a vela.
Você não percebe que se me acender, meus dias estarão
contados?
Não faça uma maldade dessa...
– Então você quer
permanecer toda a
sua vida assim?
Dura, fria e sem nunca ter brilhado? -
Perguntou o fósforo.
– Mas tem que me
queimar?
Isso dói demais e
consome todas as
minhas forças -
Murmurou a vela.
Então respondeu o
fósforo:
– Tem toda razão!
Mas essa é a nossa
missão.
Você e eu fomos
feitos para ser luz.
O que eu, apenas
como fósforo, posso fazer, é muito pouco.
Minha chama é
pequena e curta.
Mas, se passo a minha chama para ti, cumprirei com o
sentido de minha
vida.
Eu fui feito justamente para isso: para começar o fogo.
Já você é a vela.
Sua missão é brilhar. Toda tua dor e energia se transformará em luz e calor por um bom tempo.
Ouvindo isso, a vela
olhou para o fósforo, que já estava no final da sua chama, e disse:
– Por favor, acende-me.
E assim produziu uma linda chama.
Assim como a vela, às vezes, é necessário passar por experiências ruins, experimentar a dor e sofrimento para que o melhor que temos seja oferecido e que
possamos ser luz.
E a verdade é que mar calmo não faz bons navegadores.
Os melhores são
revelados nas águas agitadas.
Então, se tiver que
passar pela
experiência da vela,
lembre-se que
espalhar o Amor é o combustível que nos mantém acesos.